Muito se fala em inteligência emocional, mas afinal o que isto tem a ver com o crescimento pessoal?

Com sentimentos de bem-estar? Sentimentos de felicidade e liberdade para viver a vida com equilíbrio?

Será que é possível por meio da expansão da inteligência emocional evitar a temida ansiedade e estresse e evitar a influência de situações de mal-estar nos relacionamentos com familiares, amigos, subordinados ou superiores?

Ouvimos dizer que somos “seres racionais” quando na verdade estudos avançados da neurociência do comportamento nos mostra que somos “seres emocionais”.

Agimos e reagimos aos fatos de forma emocional, e por muitas vezes acabamos nos arrependendo de forma racional.

Quantas vezes nos arrependemos por uma repreensão mais severa a um filho, a palavras de ofensas dirigidas a pessoas que amamos, enfim nos arrependemos de inúmeros comportamentos onde dizemos “ter perdido o controle”. Na realidade perdemos o controle da nossa razão e somos movidos por nossa emoção.

Nosso lado racional está ligado à nossa mente consciente, enquanto nosso lado emocional está ligado à nossa mente inconsciente.

Estudos mostram o domínio desta mente inconsciente sobre a consciente. Como exemplo, podemos citar o estado emocional experimentado quando assistimos a um filme que nos comove. Ao assistir novamente o mesmo filme por uma segunda ou terceira vez, nos emocionamos novamente.

Racionalmente falando, não há lógica a emoção devido a uma situação que sabemos ser uma encenação, sabemos que os atores não estão sofrendo ou morrendo de verdade. Na pior das hipóteses quando assistirmos ao filme pela segunda vez, já conhecemos a cena onde nos emocionamos ao assistir ao filme pela primeira vez, então porque não conseguimos evitar a emoç o, sabemos que aquilo está se repetindo. Por que a emoção surge novamente?

Isto ocorre porque nosso inconsciente não diferencia um fato real de uma ficção.

Durante a vida, este inconsciente vai armazenando as influências de nossos pais, avós, tios, professores, etc. A fase onde sofremos as maiores influências é quando ainda não temos recursos suficientes para questionar estas informações. Entre 0 e 9 anos, a criança aceita tudo como verdade e começa a formar padrões comportamentais. Esses padrões passam a direcionar suas ações e ao obter resultados influenciados por essas crenças, passa a solidifica-las como verdades absolutas e essas serão as sementes que determinarão as próximas ações do ser humano, formando assim seu comportamento.

O comportamento é a forma como agimos ou evitamos a ação. Essas referências aprendidas são potencializadas em outras situações diferentes no decorrer de nossas vidas devido a uma incrível capacidade de generalização do cérebro. Por exemplo, ao sentir o fogo queimar pela primeira vez ao acender um fósforo, uma criança generaliza e evita o fogo vindo do fogão, da churrasqueira, da vela. Não é preciso ela se queimar de inúmeras formas diferentes para evitá-las.

Esta capacidade de generalização por um lado é útil, por outro poderá causar no futuro comportamentos indesejados e fora do controle consciente devido a registros armazenados no inconsciente na fase de aprendizado onde a criança tinha recursos de raciocínio e decisão.

Quando o indivíduo se torna adulto, o cérebro inconsciente continua utilizando todos os registros e experiências do passado gerando estados comportamentais de ação ou reação no sentido de proteger a integridade do ser no momento presente. Por exemplo, vamos supor que ao tentar se comunicar, uma criança ouve um “cala a boca” dos pais originando sentimentos de medo, raiva e tristeza, emoções estas registradas no inconsciente. O tempo passa e este registro permanece, e quando o adulto tenta se comunicar em público, o inconsciente aflora estes sentimentos refletindo na fisiologia, mal-estar, medo e receio de passar por algo semelhante.

Assim é importante ter acesso a recursos para levar ao inconsciente novas referências que possam desencadear novos sentimentos diante daquelas situações que anteriormente davam origem aos sentimentos desagradáveis. Desta forma expandimos nossa inteligência emocional, aumentando nosso autoconhecimento e levando à mente inconsciente novas referências de como agir e se manter no controle.

Por meio do processo “ALPHA”, nós do INSTITUTO FERRAREZI oferecemos uma altíssima tecnologia em recursos para o autoconhecimento profundo, trazendo maior capacidade de relacionamentos saudáveis consigo mesmo, com familiares, colegas de trabalho, possibilitando maior capacidade de comunicação, poder de negociação e assertividade.

Tenha uma boa semana!