Pessoas são diferentes, agem de diferentes formas, têm preferências que as diferenciam de outras pessoas. Isso tudo é muito natural.

Essas diferenças acabam originando divergências e conflitos entre as pessoas numa família ou numa equipe de trabalho.

Na convivência do cotidiano, surgem diferenças de opinião na forma como cada um encara as situações do cotidiano. E como é formada uma opinião? Como funcionamos? 

O ser humano toma suas decisões e manifesta suas opiniões fundamentado em seu mundo interior.

Este mundo é formado por um conjunto de informações que foram sendo armazenadas ao longo da vida.

Essas informações surgiram de experiências e acontecimentos que permearam a vida do indivíduo.

Esses acontecimentos em diferentes épocas da vida originaram padrões de comportamentos que passam a se repetir ao longo da vida futura do indivíduo.

Podemos citar, como exemplo, uma criança que vê uma barata pela primeira vez na vida e vai em sua direção para pegá-la.

Com o objetivo de protegê-la ou até porque na sua infância não teve uma relação muito agradável com uma barata, a mãe a repreende com grande emoção. Dessa forma um padrão emocional de repulsa à barata é formado.  A partir daí, por todo o resto da vida, aquele indivíduo terá repulsa, asco, fobia ou pânico à barata.

Tudo depende da intensidade emocional e do padrão mental que foi formado na mente da criança.

Vamos fazer um teste com você: “Imagina uma barata vindo em sua direção, imagina essa barata subindo pelas suas pernas, então imagina você pegando a barata na mão, esmagando a barata e começa a escorrer pelos vãos dos seus dedos um líquido branco que parece iogurte de coco…, PARA” É isso que está em sua mente agora, está com nojo, arrepiado (a).

Pois é, não existe uma barata real, mas essas palavras foram estimulando o padrão comportamental de barata que existe em sua mente e dessa forma você reproduz em seu corpo a mesma sensação, emoção e sentimento que já experimentou no passado.

Da mesma forma, somos estimulados em todos os momentos de nossas vidas por referências visuais, auditivas e sinestésicas (tato, olfato, paladar) do meio onde vivemos. Esses estímulos irão ativar nossos padrões formados ao longo da vida e em função dessas referências tomamos nossas decisões.

São padrões que formam nossas crenças, valores, regras e sentimentos que nos levam a tomar decisões de enfrentar ou fugir dos desafios que encontramos no nosso cotidiano tanto na família como no trabalho.

Conhecer esses padrões e poder reestruturá-los e transformá-los em padrões de sucesso, padrões que permitam decisões mais assertivas e direcionadas para a conquista de resultados é o caminho infalível para assumir o controle de nossas decisões e assim conquistar um futuro de sucesso.

Equipes que desenvolvem a UNIÃO e a HARMONIA:

  • Evitam reuniões demoradas devido a discussões geradas por falhas de comunicação;
  • Acabam com problemas de relacionamento e a necessidade de satisfação do ego;
  • Aliviam o stress gerado pelo desconhecimento da arte de saber falar com diferentes tipos de pessoas.