Vivemos num mundo de mudanças aceleradas, as quais trazem a sensação de que o tempo passa cada vez mais rapidamente, causando um sentimento de incapacidade e pouca efetividade nas tarefas realizadas no dia a dia.

Muitas vezes, esse sentimento se transforma em culpa e estresse, causando uma fragilidade e aumento da tensão emocional.

Uma vez abalado emocionalmente, muitas vezes procuramos consolo na opinião de terceiros. Procuramos descobrir motivos para explicar porque “as coisas” não estão indo bem, e entramos num questionamento inútil e de pouca efetividade perguntando “POR QUE” nada funciona, “POR QUE” sou pouco efetivo, “POR QUE” as pessoas não me compreendem. Após sucessivos “PORQUÊS” estaremos repletos de justificativas e desculpas para a nossa incapacidade.

Para não entrar nessa espiral de lamentações, é necessário eliminar os “PORQUÊS” dirigidos aos fatos do passado. Quando isso acontece, abrimos nossa mente ao aprendizado vindo de nossas próprias experiências.

Ninguém é perfeito, somos seres buscando evoluir num processo de aprendizado contínuo, logo é natural errarmos, é natural não obtermos 100% do resultado esperado, no entanto não deveria ser natural nos culparmos, nos penalizarmos, sofrermos porque não tivemos êxitos ao buscar um resultado planejado.

Devemos analisar os RESULTADOS e buscar novos aprendizados, novas soluções para podermos fazer diferente, caso contrário o RESULTADO não mudará e mais uma vez estaremos diante do fracasso e desta forma reforçando a crença que não temos capacidade.

Na realidade o fracasso não existe, o que existe é o RESULTADO ainda não atingido, basta continuarmos a mudar e mudar, a buscar novos recursos, novas alternativas para fazer diferente e fatalmente o RESULTADO esperado, o qual chamamos SUCESSO, acontecerá.

FRACASSA apenas quem não consegue analisar seus RESULTADOS negativos, não buscando mudanças e novos caminhos para torná-los positivos. A diferença entre o DERROTADO e o VENCEDOR está no fato do DERROTADO ter FRACASSADO uma única vez, enquanto o VENCEDOR soube tirar proveito do aprendizado de seus fracassos, mudou, fez novamente, e mudou novamente, e fez novamente até atingir o RESULTADO desejado.

Thomas A. Edson foi um exemplo de persistência a ser seguido. Após tentar milhares de vezes fazer a lâmpada elétrica funcionar, um de seus auxiliares sugeriu que desistisse. Edson calmamente respondeu “meu filho hoje estou mais próximo milhares de vezes de fazer a lâmpada funcionar, pois sei milhares de formas de como não fazer”.

A forma mais eficaz de mudar isto é provocar nosso cérebro com a pergunta correta, pois nossa mente inconsciente é estimulada pelas perguntas que fazemos a nós mesmos. Se perguntarmos utilizando PORQUÊS, o compartimento de crenças será ativado e naturalmente receberemos como respostas DESCULPAS E JUSTIFICATIVAS.

A solução é mudar o “POR QUE” pelo “COMO”, ou para “O QUE FAZER”. Nesse caso, mudamos o FOCO da mente, a qual nos trará como resultado, alternativas e POSSIBILIDADES. Despertamos nossa criatividade para soluções diferentes que nos levarão ao resultado desejado.

Somado a isto, devemos definir nosso projeto de vida, sem o qual é praticamente impossível chegar onde se deseja, pois:

“O fracasso é o denominador comum entre quem pensou e não fez e quem fez sem pensar”

Daí a importância de trabalhar o desenvolvimento pessoal comportamental do indivíduo e das equipes de trabalho, para possibilitar maior produtividade com harmonia e evitando o estresse devido aos relacionamentos dentro da equipe.